1.GRIPE – provocada pelo vírus Influenzae, esta doença leva a febre, tosse, coriza, dor de garganta, prostração. Não confundir com o resfriado comum, pois neste os sintomas são mais brandos.

# ÁREA DE RISCO – Todo o planeta.

# PERÍODO DE MAIOR PREVALÊNCIA – Inverno – Hemisfério Norte: dezembro a fevereiro; Hemisfério Sul: junho a setembro

# PREVENÇÃO: vacina; evitar aglomerações em meses frios; higienização das mãos com frequência; doentes devem evitar sair de casa.

 

Inverno em Bariloche. Passeio com vacina de gripe em dia

 

2.LEISHMANIOSE – Provocada pelo protozoário Leishmania e transmitida pelo mosquito palha (flebotomíneo). Apresenta-se nas formas cutânea (feridas arredondadas e de difícil resolução) e visceral, que pode levar à morte: provoca febre por mais de 10 dias, fraqueza e destruição das células sanguíneas.

# ÁREA DE MAIOR RISCO – Continente americano, desde o sul dos EUA até norte da Argentina, com exceção do Chile e Uruguai; África e Sudeste Asiático.

 # PERÍODO DE MAIOR PREVALÊNCIA – O risco é constante; porém, durante o verão, pela maior proliferação dos flebotomíneos, o cuidado deve ser dobrado.

# PREVENÇÃO: Não existe vacina, portanto, a medida mais eficaz consiste na proteção contra picadas de insetos:

– Menores de 2 meses NÃO PODEM USAR REPELENTES;

– Para os baixinhos de 2 a 6 meses, use óleos infantis, que neutraliza o cheiro do suor do bebê e dificulta a aproximação dos insetos;

– Para as demais faixas etárias, utilizar repelente à base de DEET ou icaridina;

– NÃO aplique o repelente nas mãos da criança, boca, nariz, olhos ou genitais; também não aplique sobre feridas;

– Utilize o repelente, de preferência, até 3 vezes/dia na criança.

– Havendo necessidade do uso do protetor solar, use-o sempre antes. Aguarde cerca de 30 minutos e depois aplique o repelente.

Panamá. Aventuras com repelente, nada de picadas de flebotomíneo!

 

3.ARBOVIROSES (DENGUE, ZIKA, CHICUNGUNYA) – As doenças transmitidas pelo mosquito Aedes são um problema de saúde pública. Provocam febre até 10 dias, dores no corpo e prostração. Crianças são um grupo de risco para complicações, então a prevenção é fundamental.

# ÁREA DE MAIOR RISCO: Região Tropical.

# PERÍODO DE MAIOR PREVALÊNCIA – Verão, pela maior proliferação do mosquito.

#PREVENÇÃO: Não existe vacina para Zika e Chicungunya e a vacina de dengue só pode ser tomada por quem nunca teve a doença, pois a imunização é considerada segura apenas para aqueles que já foram infectados pelo vírus. Portanto, a medida mais eficaz consiste na proteção contra picadas de insetos:

– Menores de 2 meses NÃO PODEM USAR REPELENTES;

– Para os baixinhos de 2 a 6 meses, use óleos infantis, que neutraliza o cheiro do suor do bebê e dificulta a aproximação dos insetos;

– Para as demais faixas etárias, utilizar repelente à base de DEET ou icaridina;

– NÃO aplique o repelente nas mãos da criança, boca, nariz, olhos ou genitais; também não aplique sobre feridas;

– Utilize o repelente, de preferência, até 3 vezes/dia na criança.

– Havendo necessidade do uso do protetor solar, use-o sempre antes. Aguarde cerca de 30 minutos e depois aplique o repelente.

Por Fabri – MG? – Repelentes!

 4.FEBRE AMARELA: Doença viral que destrói o fígado e pode levar à morte. Causa febre, olhos amarelados, dores pelo corpo. Transmitida pelo mosquito Aedes.

# ÁREA DE MAIOR RISCO: Região Tropical.

# PERÍODO DE MAIOR PREVALÊNCIA – Verão, pela maior proliferação do mosquito.

# PREVENÇÃO: Vacina e medidas contra picadas de insetos:

– Menores de 2 meses NÃO PODEM USAR REPELENTES;

– Para os baixinhos de 2 a 6 meses, use óleos infantis, que neutraliza o cheiro do suor do bebê e dificulta a aproximação dos insetos;

– Para as demais faixas etárias, utilizar repelente à base de DEET ou icaridina;

– NÃO aplique o repelente nas mãos da criança, boca, nariz, olhos ou genitais; também não aplique sobre feridas;

– Utilize o repelente, de preferência, até 3 vezes/dia na criança.

– Havendo necessidade do uso do protetor solar, use-o sempre antes. Aguarde cerca de 30 minutos e depois aplique o repelente.

OBS.1: MENORES DE 9 MESES NÃO PODEM FAZER USO DE VACINA DE FEBRE AMARELA;

OBS.:2: A VACINA DE FEBRE MARELA É OBRIGATÓRIA EM ALGUNS PAÍSES; Tendo em vista que as regulamentações internacionais estão permanentemente sujeitas a revisões, recomenda-se que no mês anterior ao seu embarque o viajante pesquise novamente sobre as exigências a respeito de vacinação de febre amarela do país de destino diretamente no site da Anvisa. Esta vacina deve ser registrada no Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP), que será exigido como condição para a entrada de um viajante, independente do tempo de permanência no país. A emissão do CIVP é gratuita e feito, desde este ano (2019), via solicitação no site da ANVISA – http://portal.anvisa.gov.br/certificado-internacional-de-vacinacao-ou-profilaxia. Fique atento! O CIVP sem a assinatura torna o documento inválido e a autoridade do país de destino poderá deportar o viajante por esse motivo.

Panamá lindo! Miguel vacinado pra Febre amarela.

 

5.FEBRE TIFÓIDE – Doença provocada pela bactéria Salmonella typhi e causa febre, dores de cabeça, fadiga, e, às vezes, podem aparecer manchas rosas na pele. Após cerca de 3 semanas, pode ocorrer hemorragia, diarreia e vômitos.

# ÁREA DE MAIOR RISCO – África, América do Sul e Central, Ásia, Indonésia.

# PERÍODO DE MAIOR PREVALÊNCIA – Contínuo em áreas onde há situação precária de saneamento básico, higiene pessoal e ambiental.

# PREVENÇÃO: Vacina e outras medidas preventivas:

NÃO ofereça à criança alimentos crus, com casca ou mal cozidos.

– Ingerir somente água engarrafada e lacrada. As apresentações gasosas são mais confiáveis. Se não encontrar, trate a água com hipoclorito de sódio a 2,5% (2 gts/1l de água).

– NÃO ofereça à criança cubos de gelo feitos com água não purificada.

– Faça higienização das mãos com frequência.

– NÃO ofereça à criança alimentos vendidos por ambulantes.

– NÃO ofereça à criança alimentos servidos em buffets.

 

ARGENTINA – 2019. Alimentação com segurança.

 

6.CÓLERA – Doença provocada pela bactéria Vibrio cholerae que leva a um quadro abrupto de diarreia aquosa, como água de arroz, causando desidratação grave e pode levar à morte.

# ÁREA DE MAIOR RISCO: A cólera está distribuída geograficamente pelos países pobres, com deficientes condições sanitárias. O risco para os viajantes é baixo quando se cumprem com as recomendações de higiene e alimentação.

# PREVENÇÃO: Vacina (oferece proteção também para Escherichia colli enterotoxigênica) e outras medidas preventivas:

NÃO ofereça à criança alimentos crus, com casca ou mal cozidos.

– Ingerir somente água engarrafada e lacrada. As apresentações gasosas são mais confiáveis. Se não encontrar, trate a água com hipoclorito de sódio a 2,5% (2 gts/1l de água).

– NÃO ofereça à criança cubos de gelo feitos com água não purificada.

– Faça higienização das mãos com frequência.

– NÃO ofereça à criança alimentos vendidos por ambulantes.

– NÃO ofereça à criança alimentos servidos em buffets.

 

7.POLIOMIELITE – Conhecida como paralisia infantil, é uma doença viral altamente contagiosa, que afeta principalmente crianças pequenas. O vírus é transmitido através de alimentos e água contaminados. Causa paralisia e deformações no corpo.

# ÁREA DE MAIOR RISCO – Alguns países da África e Ásia.

# PERÍODO DE MAIOR PREVALÊNCIA – Contínuo nas regiões onde há casos selvagens da doença

# PREVENÇÃO: Vacina e outras medidas preventivas:

NÃO ofereça à criança alimentos crus, com casca ou mal cozidos.

– Ingerir somente água engarrafada e lacrada. As apresentações gasosas são mais confiáveis. Se não encontrar, trate a água com hipoclorito de sódio a 2,5% (2 gts/1L de água).

– NÃO ofereça à criança cubos de gelo feitos com água não purificada.

– Faça higienização das mãos com frequência.

– NÃO ofereça à criança alimentos vendidos por ambulantes.

– NÃO ofereça à criança alimentos servidos em buffets.

 

8.MENINGITE MENINGOCÓCICA – É uma doença séria provocada pela bactéria Neisseria meningitidis que pode ter início com sintomas como febre, dor de cabeça e evoluir drasticamente em poucas horas para morte por coma cerebral.

# ÁREAS DE MAIOR RISCO – Presente em todo o planeta com destaque para a área conhecida como “cinturão da meningite”: Quénia, Uganda, República Centro‐Africana, Camarões, Nigéria, Costa do Marfim, Gâmbia, Guiné, Togo, Benin, Senegal, Mali, Níger, Chade, Sudão, Etiópia, Eritreia e Guiné Bissau;

# PERÍODO DE MAIOR PREVALÊNCIA – Inverno – Hemisfério Norte: dezembro a fevereiro; Hemisfério Sul: junho a setembro.

# PREVENÇÃO: Vacina; evitar aglomerações em meses frios; higienização das mãos com frequência; doentes devem evitar sair de casa.

CRIANÇA VACINADA É CRIANÇA PROTEGIDA E FELIZ!

 9.MALÁRIA – A malária é causada pelo protozoário Plasmodium e caracteriza‐se por sintomas como dores de cabeça, fadiga, febre intensa, náuseas, e acessos de calafrios.

# ÁREA DE MAIOR RISCO: Amazônia Legal, África Subsaariana, Sudeste Asiático.

# PERÍODO DE MAIOR PREVALÊNCIA – Verão, pela maior proliferação do mosquito.

# PREVENÇÃO: Não existe vacina, então as medidas contra picadas de insetos são essenciais:

– Menores de 2 meses NÃO PODEM USAR REPELENTES;

– Para os baixinhos de 2 a 6 meses, use óleos infantis, que neutraliza o cheiro do suor do bebê e dificulta a aproximação dos insetos;

– Para as demais faixas etárias, utilizar repelente à base de DEET ou icaridina;

– NÃO aplique o repelente nas mãos da criança, boca, nariz, olhos ou genitais; também não aplique sobre feridas;

– Utilize o repelente, de preferência, até 3 vezes/dia na criança.

– Havendo necessidade do uso do protetor solar, use-o sempre antes. Aguarde cerca de 30 minutos e depois aplique o repelente.

 

10.SARAMPO – Doença causada por um vírus da família Paramyxovíruse  que normalmente é transmitido através do contato direto e através do ar. Sintomas: febre alta, coriza, tosse, olhos vermelhos, manchas na pele que dura de 5 a 6 dias e depois desaparece. A doença pode levar a complicações como cegueira, pneumonias e encefalite e até morte, sobretudo em crianças pequenas.

# ÁREAS DE MAIOR RISCO – Alguns países da Europa, África e Ásia.

# PERÍODO DE MAIOR PREVALÊNCIA – Inverno – Hemisfério Norte: dezembro a fevereiro; Hemisfério Sul: junho a setembro.

# PREVENÇÃO: Vacina; evitar aglomerações em meses frios; higienização das mãos com frequência; doentes evitar sair de casa.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *